top of page
  • Matheus Leisnoch

MEU PRIMEIRO RETIRO

Um final de semana de experiências com meditação:

Retiro de Autoconhecimento e Arte


O que esperar de um retiro? Aliás, o que é mesmo um retiro? Para quem nunca foi a um, talvez esta palavra percorra o cérebro com um misto de sentimentos: dúvida se será uma “roubada”, com o pensamento da possibilidade de ser uma perda de tempo; o receio de ser uma imersão mística doida nada a ver; o sentimento de que talvez tudo aquilo possa ser bacana, mas não tenha ligação com quem você é e quer para sua vida; e até, bem lá no fundo, o desejo, e porque não esperança, de que seja algo transformador, que te leve a ressignificar um monte de coisas, te mostre caminhos bem claros e que sua vida mude para melhor radicalmente e você (rsrs...), seja uma pessoa mais feliz e plena.


Imagem de pés em frente a um desenho de smile no chão feito de giz
Buscando a felicidade!

Se você nunca foi a um retiro de meditação, neste momento do texto talvez tenha passado pela sua cabeça outros sentimentos e pensamentos sobre o tema.


Antes de citar detalhes do encontro, quero comentar que já tive um momento especial logo que cheguei ao local, que é lindo: antes do início das atividades oficiais fui caminhar pela natureza, já em estado de disponibilidade para observar e me entregar à proposta da atenção plena: o ambiente externo (as cores de toda a vegetação, suas texturas e cheiros, os sons, a temperatura do ar) e o ambiente interno (meu turbilhão de pensamentos e sentimentos).

Seguem algumas das vivências do encontro e impressões pessoais, isto é, como fui impactado:

  • Atividade de Yoga, onde as partes do corpo foram trabalhadas, alongadas, observadas com calma e sem exigência excessiva. Nosso corpo é o veículo para tudo que fazemos, se não cuidamos dele, a chance de ocorrem somatizações e chegar ao ponto de estresse, como um burn out, é enorme.

  • Meditações guiadas pelo facilitador, onde fomos orientados ao exercício da atenção plena para o que se passa internamente: pensamentos, emoções e sensações físicas. Há quanto tempo você não fica uns 20 a 30 minutos parado, de olhos fechados, apenas respirando e prestando atenção em você?

  • Momento meditativo musical, onde pessoas talentosas nos agraciaram com suas vozes e instrumentos, por meio de músicas que foram de mantras inteligíveis (pelo menos para mim. Provavelmente em sânscrito) e outras procedentes de diferentes culturas e até religiões, como a linda oração de são Francisco. Um lindo exemplo de ecletismo e respeito.

  • Dança espontânea, onde novamente o corpo foi elemento chave, visando ampliar nossa autopercepção e capacidade de expressão.

  • Poesias, reforçando a importância da palavra como elemento simbólico, potente e belo. Estas também estimulando a autorreflexão, a organização das ideias e a reflexão do que é valor para cada um de nós.

  • Cerimônia do Cacao, um brinde à deusa Maia IxCacao (com um tipo de suco feito apenas com o fruto, sem drogas e alucinógenos), resgatando tempos de uma sociedade matriarcal, que tinha o desejo da abundância, alegria e compassividade para com a população. Cacao, o fruto que nutre, cura e fertiliza nosso corpo e mente.

  • O Tao do palhaço, que buscou contato com nossa criança esquecida. Um dia todos nós fomos criança, espontâneos, verdadeiros, criativos. Nesta prática o lúdico se fez presente e provocou a nos levarmos menos à sério, revelando a pureza que existe debaixo de uma casca grossa que fomos criando com o que chamamos de maturidade.

  • Natureza, o caminho da floresta: andar pela natureza, sendo guiado e instigado pelo facilitador a se atentar a diferentes detalhes, macro e micro, foi um momento especial.


Bem, lembra do primeiro parágrafo do texto que eu relacionei minhas dúvidas iniciais sobre ir ao retiro? Acho que no decorrer do encontro, passei rapidamente por todos aqueles sentimentos e pensamentos citados. Agora, dois dias depois do retorno, penso que estar junto à natureza, perto de pessoas buscadoras (que na maioria não buscam a mesma coisa que você), e conduzido por indivíduos sensíveis que já percorreram um longo trajeto, foi, no mínimo, uma vivência de observação e possível libertação de crenças acumuladas por anos: formas de se comportar, se relacionar, regras e padrões limitantes “implantados” em nossa minha diariamente. Não quero fazer o papel do algoz do capitalismo, consumismo e outros ismos, criticando tudo. E também não pretendo ir para o Tibete, mas creio que um retiro pode nos ajudar a exercitar um olhar distanciado e a desenvolver uma atenção aguçada e crítica sobre si mesmo e o mundo onde estamos inseridos. A imersão é apenas um ponto de partida para começar a olhar com outros olhos tudo que fazemos. Difícil? Provavelmente, mas podemos começar pequeno: diminuindo o ritmo da imensidão de tarefas diárias, escutar melhor os sons dos ambientes que transitamos, lembrar que podemos respirar com mais consciência e calma. Podemos aguçar nosso olfato, olhar as coisas e pessoas com mais atenção e carinho e, como agora, se permitir parar para refletir e escrever um texto sobre as experiências vividas.


Fecho este texto provocando o leitor a se permitir viver novas, diferentes e inusitadas experiências. Comece por algo pequeno, simples, com a mente e coração abertos. Se entregue, sem julgamentos excessivos. Com certeza você irá sair minimamente transformado e levar o que considerar benéfico para seu dia a dia.

Eu, com certeza, embarcarei em outras viagens como esta.


P.S.1: Este é um blog de uma consultoria, porque resolvi escrever sobre esta vivência? Tenho como princípio de trabalho que uma empresa é basicamente fruto das pessoas que nela interagem, se comunicam, colaboram, criam. Se cada parte deste todo estiver sadia, por meio de um retiro, um treinamento experiencial inusitado, uma viagem temática, uma atividade artística etc., os times trabalharão e produzirão mais e melhor (ops, olha o lucro aqui – aproveite e conheça alguns de nossos clientes).


P.S.2 – Pequeno momento de venda: A BrainBridge pode sugerir, criar estratégias, bolar programas, treinamentos mindfulness e facilitar encontros importantes para sua organização.


Àqueles que leram este longo texto, meu enorme agradecimento, acompanhado do desejo que tenham um lindo dia, atento, amoroso e inspirado.


Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page